Carnaval Contos

Alaor

Escrito por Gabriel Galo

Alguns não curtem porque não são muito chegados a aglomeração. Aquele roçar todo de gente estranha pode ser bastante desagradável. Tem o cheiro, tem o suor, tem a virilha atenta que procura a retaguarda desavisada.

Outros não pulam porque a música não agrada. Axé? Abominável! Frevo? Credo. Sambas enredos? Que chatice!

Tem aqueles que evitam pela necessidade da tranquilidade. Umas bem-vindas férias de 5 dias, quando é possível se isolar do mundo. São Paulo, por exemplo, fica até agradável durante o período.

Há os impertinentes que enxergam que esta festa é de adolescentes, que vão para encher a cara, e bêbado já é troço difícil de aturar, imagine bêbado novo.

Quase no mesmo time estão os que já não tem mais pique. A idade, o peso e a barriga chegam para todo mundo. O conforto do sofá parece impossível ser deixado de lado.

Fosse eu enumerar o tanto de motivo que existe para que o Carnaval provoque pane na cabeça, ficaria aqui dias e dias, e, convenhamos, não tem prosa que se sustente tanto tempo falando de reclamação.

Permitam-me falar de apenas mais um caso.

O caso do Alaor.

Alaor nasceu em novembro, filho do carnaval é, portanto. Cresceu com a história dos pais que se conheceram num baile no interior, se apaixonaram, casaram, e estão até hoje andando de mãos dadas e trocando bicotinhas.

Só que tudo nessa vida tem limite.

Desde que consegue se lembrar, o carnaval é insuportável para ele. É ele aparecer, e povo cantando em marchinha e apontando para ele:

– A lá Alaor, ô ô ô!

E quando se apresenta, então?

– Esse aqui é o meu amigo, o Alaor.

– Alaor? A lá Alaor, ô ô ô!

Todas as vezes.

Infalível.

Criou uma aversão à folia que lhe faz mal. Está em tratamento há anos, e já chegando nos 40, ainda não consegue se ver livre do trauma. Trocou de psicanalista muitas vezes. Certa vez, gastou 45 minutos e uns caraminguás assistindo ao seu não-mais-futuro-analista rir-se de se dobrar depois de ele contar seus porquês.

É perseguição.

Vai num restaurante do lado de sua casa.

– Além do cardápio, temos um menu especial de carnaval. Diz o garçom, entregando o pequeno pedaço de papel ao cliente, que logo abaixo lê:

“Lula à la Alaor: R$ 54,90”

Sem nem querer saber do que se trata, grita:

– A PA PUTA QUE O PARIU!

Seu vizinho, piadista, o reconhece:

– Que foi, Alaor? Tá com calor?

Todos no restaurante riem.

Ele odeia o carnaval.

Sobre o autor

Gabriel Galo

Olá! Sou o Gabriel Galo, baiano de Salvador, torcedor do Vitória, administrador formado pela FEA/USP, empresário, metido a escritor e com coisas demais na cabeça.

Aqui você vai encontrar contos, crônicas, ensaios e análises políticas sobre o Brasil, a Bahia, São Paulo e mais tantos outros lugares e personagens fascinantes.

Deixe seu comentário