Crônicas Esportes Minhas histórias Resenha rubro-negra

Pacaembu? Pacaembivis, pai!

Jogadores do Vitória comemoram o gol de David contra o Santos no Pacaembu.
Escrito por Gabriel Galo

Existiram dois sentimentos de expectativa com relação ao jogo que se aproximava entre Santos e Vitória, no Pacaembu, pela vigésima oitava rodada do Campeonato Brasileiro de 2017. Um antes do baba sem graça contra o Sport do Barradão, quando a Libertadores era um fato; e outro depois, quando escapar do rebaixamento era milagre. Assim caminha a humanidade do torcedor, variando entre o céu e o inferno, entre a glória e a humilhação.

Com o Vitória, ora, pois, a glória está reservada para as fronteiras d’além Canabrava, enquanto a humilhação se ressente pelos portões abertos do Santuário Ecológico do Barradão. Valhei-me minha Nossa Senhora da Bipolaridade!

Cantava Paulinho da Viola que “o mar não tem cabelos onde a gente possa agarrar”, mas para torcedor qualquer fiapo é bóia, então, contra o Santos, o destino estava selado para a sexta vitória consecutiva fora de casa, contra o vice-líder, mais um campeão para a conta da saga rubro-negra.

Assim foi, com o peito inflado de brocação futura, que seguimos eu e minha mulher para o Pacaembivis. Como penitência pouca é bobagem, e todo castigo para torcedor é pouco, resolvemos ir à pé pelas sinuosas vias que ligam a Lapa ao charmosíssimo estádio municipal. Cerca de seis quilômetros e meio contra o vento que gelava no cair da tarde, contra as íngremes ladeiras da Pompéia e contra as dores de meus joelhos operados. Traduzimos como o exercício do dia, racionalização que substituiria o “se alguém vai me fazer sofrer hoje, que seja eu mesmo”.

Chegamos, enfim, às imediações do Pacaembu. Rapidamente nos fizemos próximos da trupe da Vitória Sampa, que se reúne sempre cheia de alegria.

BORA, VITÓRIA!

De ingressos na mão, rompemos o portão 22 para nos sentarmos no cimento da arquibancada ao lado do Tobogã. De cara, os telefones apitam nos informando que tínhamos aparecido no SporTV. MIM ACHER! Mãe, eu tô na Globo… Sat. Mas do grupo Globo também conta, ora.

A bola rola e o Vitória faz uma das partidas mais seguras deste Brasileirão. David, veste o manto da miserabilidade, infernizando a zaga santista. O time de branco não criava, o Vitória não dava ozadia. Tentou uma, outra, mais outra, até que num contra-ataque, David, agora alçado a pérola da base, realiza obra de arte – de roupa e tudo – e estufa as redes de Vanderlei. Aquilo era demais. Eu pulava, gritava, abraçava todo mundo, era o Vitória na frente, mô pai!

No fim do primeiro tempo, o Santos acha um gol, numa falha de Wallace, que errou o tempo de bola, e de Juninho, que deixou de marcar o diminuto Jean Motta, que testou para o gol de Caíque. Ah, Vitória…

Intervalo chega, ora da água, da pipoca que quase só tinha milho, da sonoplastia que propagou Djavan e Emílio Santiago pelos autofalantes. “Senta, se acomoda, à vontade, tá em casa, toma um copo…” Apesar do danado das picapes não entender bulhufas de futebol, a música era retrato de como o Vitória se sente na casa dos outros. Dando ousadia musical, então…

O segundo tempo reinicia com o Vitória no mesmo pique. Que partida! Que jogo! Neílton era exceção, xingado por todos. Displicência, seu nome é Neílton. Alguém tenta falar mal de Uillian Correa e eu já mando um “Uillian Correa PRESIDENTE!” para calar o maluco.

O Vitória pressionava, o Santos tentava. No centésimo quinto escanteio do Vitória no jogo, se juntam lá os dois para executar o escanteio curto. Abro aqui o coração para vocês: tem, sim, coisas na vida que eu odeio. Uma delas é o escanteio curto. VÁ MATAR O DEMÔNHO! E nessa, tendo errado tudo, inclusive uma bola na trave com o gol escancarado, o menino Neílton, o homem dos dentes mais ESTRANHOS do futebol brasileiro, cruza para testada impiedosa sobre David “Braga”.

PUTA QUE PARIU a matemática!

Que gritaria! Que festa! Palpitação! Meu coração não aguenta! Celular se esgoelando, tô na Grobo de novo! MIM ACHER! Mainha, eu sou um sucesso (só que não)!

Mas aí… Há certezas nessa vida: a morte, impostos e uma pixotada da zaga do Vitória.

Juninho, em vez de bicar a bola na arquibancada com o máximo de suas forças, vem com frescuragem. Perde a bola, e ela é cruzada para a área, encontrando um desajeitado Ramon, zagueiro que não errou nem concordância verbal durante o jogo, mas que cabeceou contra a própria retaguarda. Que balde de água fria…

Dali pra frente, David, como era de se esperar, cansou. O Santos oferecia o campo aberto para contra-ataques, mas sem ter quem puxar, a bola rodeava a área santista, mas terminava sem perigo para a meta de Vanderlei.

O juiz apita o fim de uma das melhores exibições rubro-negras no campeonato. Todos estão felizes, o Vitória fez sua parte, jogou bem. Mas havia uma certa decepção por jogar melhor e não vencer… Faz parte, vambora pra próxima!

Quase afônico, ainda dá tempo de ouvir alguém dizer que o Pacaembu é o melhor estádio da cidade de São Paulo, para eu interpelar:

“Pacaembu? Pacaembu é a porra! Hoje aqui é Pacaembivis, pai!”

Digo que valeu.

****

Que o espírito RAGATANGA esteja hoje em campo contra o Atlético-PR no Barradão. Vai pra cima deles, Leão!

****

Leia aqui os meus textos sobre o jogo contra o São Paulo, o Corinthians e o Palmeiras, nas outras visitas rubro-negras à capital paulista.

***

Sobre o autor

Gabriel Galo

Olá! Sou o Gabriel Galo, baiano de Salvador, torcedor do Vitória, administrador formado pela FEA/USP, empresário, metido a escritor e com coisas demais na cabeça.

Aqui você vai encontrar contos, crônicas, ensaios e análises políticas sobre o Brasil, a Bahia, São Paulo e mais tantos outros lugares e personagens fascinantes.

Deixe seu comentário