Artigos Correio Crônicas

São Paulo e Vitória e as certezas de Dia dos Namorados

São Paulo e Vitória, Nenê, Everton, Morumbi, futebol, São Paulo, Vitória, campeonato brasileiro, brasileirão 2018, Dia dos Namorados
Escrito por Gabriel Galo

A duas semanas da Copa do Mundo, o Vitória faz uma mini-turnê em SP. No dia 03, Santos na Vila Belmiro. Dia 09, Corinthians em Itaquera. Dia 12, São Paulo no Morumbi. O Correio me convidou para acompanhar estas partidas com a visão do combalido fanático rubro-negro que perambula pelas terras paulistânicas.

***

Até onde a gente vai por amor? O que você faria pela pessoa amada? Por amor, somos capazes de mover mundos e fundos, atravessar mares e montanhas, cruzar desertos escaldantes e geleiras congelantes… Mas tudo, claro, tem limite. O limite, no caso, era a proposta oferecida à minha esposa: “Amor, eu sei que é dia dos namorados… Mas hoje tem jogo do Vitória no Morumbi, e…”

Havia, claro, recheios de sobrenatural nesta infame pergunta. Chovia no árido outono paulistano. O horário da partida era desagradável sobremaneira, começando tarde, acabando amanhã. Além do que, se há certezas nesta vida, pagar impostos e a morte entre elas, está a de que o Vitória perde do São Paulo quando sai de Salvador. Mais a mais, somando tudo, confesso: o pacote não era um programa de Dia dos Namorados sonhado pela digníssima.

Possuído de esperança, incorporando Marisa Monte em “Bem que se quis”, o quê que a gente não faz por amor?, apelei, “mas você é são-paulina!” Ouvi, “mas não sou maluca.” Assim, seco, na lata. Aparentemente, Marisa, tem uma resposta aí, e é ir ao Morumbi num terça-feira às 21:30h debaixo de chuva para ver o seu time perder.

Atencioso que sou, montei mesa e preparei o cardápio. Velas espalhadas pela casa – mim julguem, Dia dos Namorados é dia de dar vida a todos os clichês possíveis. Na vitrola, Barry White acalenta os poros, acelerando batimentos, fluxo sanguíneos e respiração. (Atestem: Barry White é o maior afrodisíaco do planeta. Estimo que cerca de 975 milhões de seres humanos não teriam nascido sem ele.). Abro um vinho tinto italiano que estava na promoção no mercadinho aqui do lado. Um luxo só!

Ela chega do trabalho. É recebida por um caloroso beijo. Ofereço uma massagem nos ombros depois de um longo dia de trabalho, prontamente aceita. Seu delicioso cheiro toma conta de minhas mãos, estou inebriado de paixão! Trago uma taça de vinho, bebericamos e, cúmplices, contamos como foi o dia.

Tilinta o forno apitando o jantar pronto. Sirvo e empreendemos nossas primeiras garfadas. Não é porque fui eu que fiz, acredite, está divino. Somos interrompidos na nossa celebração a dois pelo toque do alarme do celular. “Um minuto”, digo, me levantando. Ela é a cara da expectativa. Imagina surpresas, presentes, joias, aquela viagem!, será? Mas tudo que vê é eu ligando a televisão, “vai começar o jogo.” Do céu ao chão no aperto de um botão.

Volto à mesa, e eu naquelas, um olho no peixe e outro no gato. Espia aqui, um ataque ali. Yago titular, Mancini? Pode isso, Arnaldo?

Nenê abre o placar, num golaço. Para o São Paulo, claro. Yago é expulso com requintes de crueldade, precisava daquilo, senhor seu juiz? Nenê faz o segundo ainda no primeiro tempo, depois Everton sacramenta o terceiro no segundo…

Neste instante, meus amigos, em verdade vos confesso, já tanto fazia como tanto fez. Emudeci a tela, Barry e seus graves sussurros de pé de orelha invadiram de novo o ambiente, arrepiando fios de cabelo até onde não há. A troca de olhares foi extinta. Agora fixo-me na companheira da vida, ali pertinho, cheia de amor (mas com limites). Ela sorri maliciosa. “Deixa comigo que eu dou um jeito nessa derrota aí.” Levanta me estendendo as mãos num “vamos” gestual, conduzindo-me pelo corredor da felicidade ao nosso ninho.

O amor, meus caros, nunca falha. É certo como o raiar do sol, tão certo quanto dois e dois são quatro. Assim como o Vitória perder do São Paulo no Morumbi. Isso nunca falha também.

*Gabriel Galo é escritor

Artigo publicado no site do Correio da Bahia em 13 de junho de 2018. Link aqui.

Para ler meus outros artigos no Correio, clique aqui.

LEIA TAMBÉM OUTROS RELATOS DE UM RUBRO-NEGRO EM SP!

Sobre o autor

Gabriel Galo

Olá! Sou o Gabriel Galo, baiano de Salvador, torcedor do Vitória, administrador formado pela FEA/USP, empresário e escritor (cronologicamente falando).

Escrevo (quase) diariamente contos, crônicas, ensaios e análises políticas. Sou também colunista do Correio da Bahia e do HuffPost Brasil.

Deixe seu comentário