Artigos Correio Crônicas

Viva a Nosso Senhor do Bonfim da Bahia

igreja, lavagem do Bonfim, bonfim, cortejo, multidão, Salvador
Escrito por Gabriel Galo

Para entender a Bahia, prato cheio de verdade, sem essa de só a cabecinha, de uma vez só e até o talo, apenas a Lavagem do Bonfim.

Não se sabe ao certo a cronologia do assunto, e quem disser que sabe ou lá esteve no começo – do que duvido – ou escolhe uma fonte pra assumir como verdadeira, e segue o cortejo.

Mas na Bahia, lugar onde o profano se disfarça de crença para espalhar sacanagem e qualquer aglomerado de gente vira quizumba, o negócio é juntar a coisa toda dentro de uma bacia só, sacudir até que fiquem todos lambuzados de dendê e sair pulando agradecendo à porra toda e querendo arrumar quem ofereça chamego.

No contexto histórico uma breve explicação do que compõe a Bahia. Escravos obrigados a lavarem a igreja recém-construída, que transferem seus rituais disfarçados para o evento, aproveitando a tênue liberdade que teriam para explorar sua fé. Baianas e suas águas de alfazema perfumando e limpando o centro cheirando a novo. Deu certo. Quem entendia do riscado via que ali não se seguia festejo católico, não senhor.

Nos quase oito quilômetros do trajeto desde a Igreja Nossa Senhora da Conceição da Praia até a colina, o burburinho ia engordando, abraçando quem de bobeira no caminho. Povo foi chegando e chegando, sem restrição, entrava e fazia como lhe conviesse.

Saravá!

E quando povo chega, meu filho, é a festa do isopor, abre espaço pro gelo, e logo é um tal de abrir o porta-malas do carro com aquele som poderoso e tascar um Psirico nas alturas, porque o reggae vai comer.

Tratava-se do exercício máximo da libertação, assim como o Carnaval, embora este último tenha sido deturpado no que transformado de massa em camarotes, muito embora haja resquícios de originalidade no Olodum subindo a ladeira e abrindo a sexta-feira no Pelô e na Mudança do Garcia, quase extinta, que renasce aos poucos.

Era um grito de libertação! Enquanto o Carnaval é a festa da esbórnia, – não que baiano não goste disso, pelo contrário, se não envolve esbórnia, não prospera – mas se abraça o religioso, a alforria é dobrada. Ou triplicada, veja: liberta-se dos grilhões da escravidão (embora ordenado pelos senhores de escravos); performa seus ritos religiosos fortemente oprimidos; e ainda engana um monte de gente.

Em se tratando de dissimulação, na Bahia só tem PhD.

No que o grito contido de liberdade virou reivindicação, naturalmente. Quem protesta em silêncio uma hora começa a exigir. O escondido vira escancarado. E tome faixa, e tome protesto, e tome esculacho, e tome igreja fechada, e tome povo comendo água, e tome música e batuque, e tome intervenções.

A bênça, meu pai.

Nos varandás, muitos meninos se tornaram homens. No lombo do jegue, as cargas do que cansados de levar nas costas, as agruras do cotidiano, e que nos deu uma das mais lindas expressões da província: mais enfeitado que jegue na Lavagem do Bonfim.

E, espelho do escárnio e arremedo de autoridade, quem tem sob si a caneta reformadora da lei entende que se não dá pra frear a horda, pelo menos pode excluir os jegues.

Tira o jegue!

Libera o jegue aí!

Quem não conhece aquele que segue a tradição da missa pela manhã, aquela reza pro santo depois, vestido de bata branca e colar de contas do Orixá que lhe guarda? Por via das dúvidas, pode.

Eparrei!

Odoyá!

Não esqueça do sinal da cruz. Acenda a vela, zifio.

No passar dos anos, misturou-se tudo. Bonfim e Oxalá fundiram-se em uma única entidade. Senhor das graças alcançadas, líder máximo do sincretismo religioso baiano, sem vergonha de se dizer multifacetado, porque uma coisa é outra coisa e outra coisa é uma coisa.

Ajayô, meu senhor do Bonfim!

***

É hoje, dia 12/janeiro.

***

Sobre o autor

Gabriel Galo

Olá! Sou o Gabriel Galo, baiano de Salvador, torcedor do Vitória, administrador formado pela FEA/USP, empresário e escritor (cronologicamente falando).

Escrevo (quase) diariamente contos, crônicas, ensaios e análises políticas. Sou também colunista do Correio da Bahia e do HuffPost Brasil.

2 Comentários

Deixe seu comentário