Crônicas Esportes

A foto de 2017 é do Panamá

foto, Panamá, estádio, torcedor, Román Torre, futebol, policial
Escrito por Gabriel Galo

Há imagens que todos conhecem, uma vez que a história se encarrega de condensar suas narrativas simbolizadas em únicos cliques, numa única foto. A garota fugindo nua do napalm na Guerra do Vietnã em 1972; o beijo ardente do soldado que voltou da Segunda Guerra em plena Times Square em Nova Iorque em 1945, símbolo da esperança de novos tempos; Che Guevara e a estampa favorita de camisetas de gente desinformada; o chinês desafiando os tanques do governo em 1989. Como não afirmar que o garoto morto na praia resume o drama dos refugiados sírios, por exemplo?

A fotografia tem este poder.

No mundo do esporte, há fartura. Muhammad Ali gritando sobre um nocauteado Sonny Liston é icônica; a de Usain Bolt olhando para o lado sorrindo numa final de Olimpíada representa sua superioridade; a de Michael Jordan subindo para enterrar da linha de lance livre virou sua marca registrada. Falando de Brasil, inesquecíveis são a imagem do garoto chorando a derrota de 82 no Sarriá para Itália, capa do Jornal da Tarde, assim como também é a foto de Pelé jogando pela seleção brasileira no Maracanã, com o suor no peito em forma de coração.

A foto que para mim é a foto deste 2017 une o esporte e o que ele representa para um povo.

No dia 10 de outubro de 2017, o Panamá assegurou classificação inédita para a Copa do Mundo de 2018. Ficou de fora a rica seleção dos Estados Unidos, o que trouxe ainda mais simbolismo ao feito panamenho.

As ruas foram tomadas pela população em festa. A comemoração era tão efusiva que o Presidente Juan Carlos Varela declarou que o dia seguinte seria de festa nacional, liberando toda a população de deveres em plena quinta-feira. Trabalhadores não precisariam labutar; escolas estariam fechadas para que todo o país celebrasse em família.

O futebol emana do povo. Seu significado está nos meninos que brincam de bola na rua e sonham com a glória aos 45 do segundo tempo, num gol redentor que garante o título e um lugar na história. O movimento de elitização do esporte vai contra os garotos que marcam as traves com chinelos, tijolos, pedras ou o que der, contra aqueles que armam a chacota pelo drible sofrido, contra aqueles que só têm o sonho como arma.

A elitização do futebol joga contra milagres como este do Panamá. Do lado de cá lidamos com a classificação certa e garantida a todas as Copas. Esquecemos dos casos de exceções, que provocam catarse em nações que pouco ou nunca lá estiveram.

Na foto, o capitão da seleção panamenha, sem camisa, abraça um torcedor, também sem camisa que invadiu o gramado. Peitos abertos! O policial, autoridade da ordem, então, em vez de afastar o torcedor e devolvê-lo a seu lugar de direito, abandona o dever tosco, já que ameaça à ordem e à integridade não havia, e se une aos dois num abraço com direito a sorriso. Naquele momento, ele não era policial; era, assim como o elemento do meio, mais um em êxtase, cheio de alegria pelo seu país.

foto, Panamá, estádio, torcedor, Román Torre, futebol, policial

Román Torre, capitão da seleção panamenha de futebol, abraça torcedor e policial depois da classificação do Panamá para a Copa do Mundo 2018.
10 de outubro de 2017.
A foto de 2017!

Se esquecemos para que serve uma Copa do Mundo, esta foto capta a lembrança que não podemos deixar sumir. O futebol une jogadores, autoridades, gente comum e de todo tipo, transformando-nos todos em TORCEDORES, muito além de deveres e de direitos.

***

Sobre o autor

Gabriel Galo

Olá! Sou o Gabriel Galo, baiano de Salvador, torcedor do Vitória, administrador formado pela FEA/USP, empresário e escritor (cronologicamente falando).

Escrevo (quase) diariamente contos, crônicas, ensaios e análises políticas. Sou também colunista do Correio da Bahia e do HuffPost Brasil.

Deixe seu comentário