Artigos Correio Crônicas Crônicas da Copa 2018

Levanta, Neymar!

Neymar, Brasil, Costa Rica, Copa do Mundo, Rússia 2018, Philippe Coutinho, Levanta Neymar
Escrito por Gabriel Galo

Marcação cerrada. Linhas de defesa dos de branco encurtando os espaços. Os azuis do Brasil batiam contra a parede costarriquenha e cabeça entre si. Alguém passava do lado de Neymar, que ao sentir o vulto adversário, saltava ao chão, performático. O juiz nem aí. Levanta, Neymar!

William perdia uma bola na direita, Marcelo errava um cruzamento. Philippe Coutinho buscava, Gabriel Jesus acompanhava, mas nada de furar o bloqueio. Um zagueiro surgia por trás de Neymar, que ensaiava um duplo twist carpado se contorcendo de dor. Desta vez, falta. Levanta, Neymar!

Um primeiro tempo difícil de jogar, e ainda mais difícil de assistir. Jogadores saem cabisbaixos, cientes da produção abaixo da crítica. O país se vira para Neymar, a referência, que parece distante, abatido. Levanta, Neymar!

Com Douglas Costa em lugar do inexistente William, o Brasil volta mais incisivo. Tenta, insiste. Jesus, na trave. Coutinho, no goleiro. Depois Coutinho de novo, resvalando no zagueiro indo a escanteio. Num contra-ataque, a bola sobra limpa para Neymar, que ajeita o corpo e chuta firme… Pra fora. Ele lamenta a incrível chance perdida, mãos no rosto, a decepção em pessoa.

O meião do 10 brasileiro rasga, outra vez. Próximo à lateral esquerda, sofre uma botinada do cintura-dura caribenho, e Neymar atravessa o campo rolando e gritando de dor até a lateral do lado de lá (beijos saudosos, Luciano do Valle). Tem-se a certeza: não era para tanto. Levanta, Neymar!

Até que, dentro da área, Neymar é puxado e cai. Pênalti para o Brasil! Ele mesmo se posiciona para bater, mas o VAR é acionado. O juiz, que apitou à marca da cal, retorna da cabina anulando a marcação. Os costarriquenhos comemoram, enquanto os do Brasil sequer esboçam reclamação. Estão seguros: Neymar exagera. Passou do ponto. Abrir mão do gol para puxar um pênalti que não tinha sido é estupidez no mundo do árbitro de vídeo. Levanta, Neymar!

Alguém pega o brasileiro. Ele xinga em espanhol e em português palavras de baixíssimo calão. Neymar está nervoso, irritado. Certamente sabe que não corresponde. Talvez seja o tornozelo, talvez esteja preocupado com a campanha de lingerie da Marquezine proibida na Rússia, talvez a Receita Federal tenha ligado na noite anterior. É tanto motivo que não se sabe, que não se vê, a não ser a consequência: não está bem o brasileiro.

O time inteiro se desestrutura. Partem para o abafa. Os costarriquenhos, inspirados no exemplo de Neymar, fazem piscina do gramado de São Petersburgo. Exacerbam a catimba. Um brasileiro sopra na orelha, fratura exposta. Um passe mais ao fundo, estiramento muscular. Encostou, então, chama a ambulância e leva para o hospital que tem risco de vida. Enquanto isso, sentindo o toque, Neymar já estava preparado para o pulo acrobático pedindo falta, quando se deu conta que era o árbitro que lhe encostava o ombro. “Don’t touch me.”

A placa subiu para os 6 minutos de acréscimo. Depois da estreia errática, o segundo jogo não apresentava solucionática (beijo, Dadá). Mas num cruzamento, Firmino ajeita, Jesus amansa e Coutinho, nossa válvula de escape da mediocridade, abre o placar. Grita o Brasil, gritam os vizinhos, grita Galvão, grita Neymar! Aqui não é Argentina, não!

Cinco minutos mais tarde, um contra-ataque é puxado empurrando às cordas uma já entregue Costa Rica. Casemiro rola para Douglas Costa, o esperado titular absoluto daqui pra frente, que vê Neymar correndo pelo meio. Ele entrega a glória, mansa, para que o 10 apenas empurre para o gol vazio. Dois a zero no apagar das luzes.

Neymar comemora, engasga numa lamúria contida. No apito final, sem se segurar, desaba. Mãos no rosto, chora copiosamente. Um choro desabafo. Sabe que o peso sobre ele é desproporcionalmente maior do que o dos outros. Sabe que, apesar dos saltos ornamentais em campo, é caçado, apanha impiedosamente. Sabe que os adversários tentarão tirá-lo do sério a todo instante. Sabe que é admirado e odiado na mesma proporção. Sabe, sobretudo, que está no nível mínimo do que pode produzir.

O gol talvez tenha sido a gota d’água que vai liberar o craque monumental que indiscutivelmente é. Gol da redenção, que abre os caminhos, fecha o corpo e acalma a alma. E que faz com que ele veja, por fim, que agora é só ladeira acima. Levanta, Neymar!

*Gabriel Galo é escritor

Crônica publicada no site do Correio da Bahia em 22 de junho de 2018. Link AQUI!

Sobre o autor

Gabriel Galo

Olá! Sou o Gabriel Galo, baiano de Salvador, torcedor do Vitória, administrador formado pela FEA/USP, empresário e escritor (cronologicamente falando).

Escrevo (quase) diariamente contos, crônicas, ensaios e análises políticas. Sou também colunista do Correio da Bahia e do HuffPost Brasil.

3 Comentários

Deixe seu comentário