Artigos Correio Crônicas Esportes

Mérito em dobro: Bahia campeão!

Bahia campeão, festa, titulo, Bahia, campeonato baiano, baianão 2018, futebol
Escrito por Gabriel Galo

Amanhece o mundo pintado de azul, vermelho e branco. Desde ontem não dormiu, atônito com o fervor de uma massa que carrega seu clube nos braços e no coração. Que não para, que não desiste, que não esmorece nunca. Mantos são exibidos com orgulho: #BBMP!

O enredo escrito aceitava apenas um desfecho, com direito a tapa com luva de pelica no MP que odeia futebol pela celebração sem torcida: o 47º título estadual do maior do Nordeste. Não apenas por seu próprio merecimento, óbvio ululante, mas o absoluto não merecimento do oponente que se apequenou na violência e no choro infantil. Mérito em dobro!

Causa e consequência: quando a batalha campal do primeiro Ba-Vi se fez, o título foi entregue de bandeja. A equipe então líder se despedaçou, esqueceu o futebol, enfileirou desfalques. Quis ganhar na marra aquilo que deu de graça sem saber.

Quando fugiu da luta, reduziu-se, com apoio institucional de cega diretoria. Para piorar, pedaço selvagem de sua torcida, em cópia pirata da festa tricolor, apedrejou ônibus da delegação adversária na chegada ao Barradão. Sacramentou-se o que não tinha jeito. Pois até os quero-queros sabiam: não haveria jamais de colocar as mãos na taça, o Vitória.

Na ponta oposta, o Bahia. Incontestável esquadrão. Melhor ataque, melhor defesa, melhor campanha geral. Melhor festa, melhor média de público. Melhor tática, melhor jogador. No campo de jogo, soube explorar a eterna deficiência da lateral direita rubro-negra e por ali conquistou mais um tento.

Baêa! Baêa! Baêa!

Gol que fez explodir a massa por toda parte. Alijados da arquibancada, pelas ruas e bares, muito antes de apito trilar, chegaram aos montes, sem sobressaltos ou preocupações. No peito, junto às estrelas de seu distintivo, a certeza clarividente. Chance havia, possibilidade que não se vestia de probabilidade. Matemático que soubesse do ar da Bahia, das mensagens que chegam nos ventos que batem da orla trazendo boas novas e o amanhã, largaria cálculos, buscaria uma água de coco gelada e sacaria na caneta sobre a planilha desnecessária: é 100% Bahia, pae! Coé?

Quem há, afinal, de desdizer os sudestes ventos recôncavos que apaixonam e inebriam?

Na mente e no corpo fechados de seu goleiro, a garantia em pacote inviolável, válida por 1 ano. Na estabanada troca de passes rubro-negra, o sarro e a pirraça, “Tri-vice não!”. No contra-ataque ao abrir da segunda etapa, bola nas redes, a certificação selada, registrada, carimbada, avaliada e rotulada. No silêncio sepulcral que emudecia o estádio, os gritos de fora invadiam o gramado como furacão:

“Mais um! Mais um, Bahia! Mais um, mais um título de glória!”

A história reserva alguns episódios em que a meritocracia é subvertida, colorida de injustiça. Não desta vez. No colo gostoso e seguro do merecimento inconteste, repousa, plácido, o troféu deste turbulento campeonato. E na alma lavada de cada torcedor do Bahia que esperou 16 anos para dar nova volta olímpica em casa alheia, vê-se o sorriso largo e ouve-se o canto que não cessa:

“Somos da turma tricolor! Somos a voz do CAMPEÃO!”

****

Crédito da foto: Tiago Caldas/Foto Arena/Estadão Conteúdo

****

Artigo publicado em 09 de abril de 2018 no site do Correio da Bahia. Link aqui.

****

Leia meus outros artigos publicados no Correio.

***

Sobre o autor

Gabriel Galo

Olá! Sou o Gabriel Galo, baiano de Salvador, torcedor do Vitória, administrador formado pela FEA/USP, empresário e escritor (cronologicamente falando).

Escrevo (quase) diariamente contos, crônicas, ensaios e análises políticas. Sou também colunista do Correio da Bahia e do HuffPost Brasil.

1 Comentári0

  • Parabéns Galo! Voce é rubro-negro de torcida e coração mas, tem sabedoria para distinguir na escrita da razão, os méritos de um campeão, pois, neste 2018 coube ao Bahia segurar a taça na mãos.
    Torço para BaxVi fazer e comemorar a próxima campanha do Brasileirão.

Deixe seu comentário