Crônicas

O interno

Adentra o hospital psiquiátrico um senhor de mais idade, meio careca, rosto de quem já morreu há pelo menos uns 15 anos. Brada aos quatro cantos.

– Eu ganhei! Eu ganhei!

Ele é recebido pelo chefe do hospital e por um enfermeiro que sorri sorrateiro para a situação lastimável do prezado candidato derrotado.

– A derrota foi muito pesada para ele, começou o diretor do hospital para o enfermeiro, ainda sem a presença do ilustre candidato.

– É, foi mesmo. Mas de acordo com a família ele ainda acha que ganhou.

– Diz que foi tudo uma armação, ele tem que ser proclamado o novo presidente da república. Coitado…

– Lá vem ele.

– Senhora Mônica, muito obrigado por ter confiado na nossa instituição para reabilitação de seu marido. Acredito que…

– Você acredita? Acredita em mim? Acredita?, indaga o internando.

– Claro, senhor, claro – diz o diretor em tom amável, e retornando para a mulher, continua – como ia dizendo, acredito que faremos o possível para ajudar o seu marido…

– Ajudar? Como assim me ajudar? Eu não preciso de ajuda! O Brasil precisa de ajuda!

– Querido, por favor… Está vendo doutor? Ele está assim há meses!

– O Brasil foi invadido por uma corja! De onde já se viu pobre com direito a voto?

O enfermeiro fez menção de aplicar uma injeção tranquilizadora, mas foi repreendido diretor, poderia parecer um ato político, no final, pode-se interpretar ter sido ofendido.

– Dona Mônica, nós temos os profissionais mais qualificados para tratar com esse tipo de cenário. Nossos procedimentos são confiáveis e seguros e mesmo que…

– Seguros! Aposto que este prostíbulo está cheio de escutas telefônicas. Está vendo ali, Monica? Um telefone! Este lugar está dominado! Tenho que livrar essa instituição do mal que se espalha!

– Querido, é apenas um telefone.

– Eu aposto que eu estou grampeado! Eu sinto! Sim, eu sinto! Dentro de minha camisa, aqui! Veja, veja, veja!

– Querido, é apenas o cordão de seu santinho…

– Como santinho? Antes eu tenho que ver quem são os eleitores deste lugar! E se houver mais evangélico que cristão? Se houver, me dê uma santa pr’eu chutar!

– O caso é realmente grave – voltou o diretor à sra Mônica.

– Grave, meu senhor! Grave é a situação desse país! Ah, não, ah, não, ah não!

Nisso veias saltam-se à testa do internando, dando-lhe um aspecto enfurecido.

– Doutor, ele está ficando vermelho. Quando fica assim, a crise piora, doutor!

– Vejam os resultados dessa eleição, por exemplo! Fraude! Calúnia! Sujeira! Eu tenho estudos realizados dizendo que a diferença era bem menor! Bem menor! Veja bem o senhor: fiz uma pesquisa entre os funcionários de meu comitê de campanha e e diferença dela era de 51 a 49! 2 pontos! O senhor entendeu? É um absurdo! O TSE é do governo, portanto, eles tinham todo poder de influência para alteração de resultado. E foi o que eles fizeram.

Começou a elevar o tom de voz.

– Quem agora vai tirar aquele povo de lá? Hein? Eu era o mais preparado! EU! Eu, por exemplo, reneguei o meu padrinho político para não ter vínculo! Eu ataquei todo mundo! Eu fui perfeito: de todas as religiões, de todas as opiniões, de tudo quanto é promessa! Agora, estou assim, irritado! 2 pontos! A diferença era de 2 pontos! Eu tenho a pesquisa! Eu tenho a pesquisa!

Começou a quebrar coisas. Logo veio o enfermeiro que, desta feita sem interrupção, injetou-lhe um tranquilizante.

Quinze minutos depois acordou em uma maca. Ao lado, sua esposa preenchia um formulário.

– O que está fazendo, Monica?

– Preenchendo umas informações para poder dar entrada, querido.

– Você acha realmente necessário?

– Me dói o coração, amor. Mas é para o seu próprio bem, confie em mim.

Volta a escrever no formulário.

– Ah! Coloquei errado aqui o endereço. Já estava escrevendo Palácio da Alvorada… Vou ter que ir buscar outro formulário.

Nisso, arrancou a folha com os dados errados, amassou e arremessou contra a lixeira ao seu lado.

– Ai! Ai! Ai!

– Que foi, marido?

– Que dor insuportável! Ressonância! Ressonância!

– Querido, o que está acontecendo!

– Bolinha de papel! Bolinha de papel!

E saiu correndo pelo hospital, desesperado.

Sobre o autor

Gabriel Galo

Olá! Sou o Gabriel Galo, baiano de Salvador, torcedor do Vitória, administrador formado pela FEA/USP, empresário, metido a escritor e com coisas demais na cabeça.

Aqui você vai encontrar contos, crônicas, ensaios e análises políticas sobre o Brasil, a Bahia, São Paulo e mais tantos outros lugares e personagens fascinantes.

Deixe seu comentário