Carnaval Crônicas

Ó o gelo!

Escrito por Gabriel Galo

Quanto eu ainda carregava o chassi de grilo dos meus 13 anos de idade, acompanhado de um motor sem qualquer maledicência para entender o que estava acontecendo nas entrelinhas, conheci a figura que, para mim, até hoje, é a mais respeitada do carnaval de Soterópolis.

Contextualizo.

Celina, comadre de minha mãe, tinha apartamento no edifício Plaza, em pleno Campo Grande, pertinho do Forte de São Pedro, por onde passava o hoje revitalizado circuito do Centro, até então único, não tinha esse negócio de Barra/ Ondina. Bicho pegava era ali. E, claro, tinha o Pelourinho que o Olodum invadia na sexta, coisa que nunca vi nem vivi, eu só ouço falar. O ano era 1996, e ali na frente passaram todos os artistas que importavam na época, gente do quilate de Chiclete com Banana, Daniela Mercury, Timbalada, Asa de Águia, Cheiro de Amor e Netinho.

A corda ainda não era essa formalidade toda, ia muito bloco solto.

Lembro do barato que foi quando a Mudança do Garcia passou, seus jegues reciclados da Lavagem do Bonfim, cheios de mensagens e uma alegria contagiante. Em cada intervalo dos trios, entre o que já foi e o que daqui a pouco passa, lá saíam todos para o meio da avenida, em especial meu pai, que em nada se avexava pela presença de amigos, comadres, mulher e filhos, e distribuía cantadas às polpudas morenas que lhe cruzavam a vista.

Era uma situação que, está óbvio agora, eu não tinha maturidade, pêlos no corpo e malandragem para entender. Mas era lindo! Gente mijando para tudo quanto é canto, beijos na boca distribuídos como se fosse bom dia, e um sol de rachar na cabeça.

Foi quando me deparei com inúmeras situações para formar a certeza que permeia o meu entendimento de quem é que comanda a hierarquia carnavelesca soteropolitana.

Não, não era o pequeno grupo de policiais militares que passavam em ronda eventual, quando a gente ficava quieta e fazia cara de não-fiz-nada. Também não eram os cordeiros, que separavam os que podiam dos que não podiam. Muito menos eram as morenas polpudas, que atraíam tantos olhares e gracejos e tinha para si a oportunidade da escolha.

– Uni, duni, tê, o escolhido foi você!, e pegando o selecionado pela mão, saía o casal para consumar seu amor.

Não e nécaras.

Vi uma, vi duas, vi milhares de vezes a cena.

Não importa o momento. Podia estar trio passando, couro comendo, chinela cantando; para eles não tinha hora errada. E povo respeita, porque quando se trata de item de primeira necessidade, a gente atende ao apelo:

– Ó O GELO!

E passava nego com saco de gelo no ombro, à procura de repor seu isopor. No trajeto, povo abrindo que nem trânsito para ambulância do SAMU, uma lindeza.

Baiano dando passagem é sinal de que a pessoa cresceu na vida.

É celebridade.

Porque a vida pode ser dura o ano inteiro, mas, porra!, não estraguem a minha cerveja em pleno Carnaval!

Acho que um dia vou fazer um experimento. Pegar aquele trânsito lascado de fim de dia na Paralela, colocar um autofalante em cima do carango e sair gritando “Ó O GELO!”, e observar todo mundo abrindo caminho de sorriso no rosto, abrindo o vidro e já gritando:

– É quanto a piriguete, mô pai?

– 3 por 5.

– Pronto. Vê logo 6 que eu não gosto de troco.

Vou ficar rico.

***

Sobre o autor

Gabriel Galo

Olá! Sou o Gabriel Galo, baiano de Salvador, torcedor do Vitória, administrador formado pela FEA/USP, empresário e escritor (cronologicamente falando).

Escrevo (quase) diariamente contos, crônicas, ensaios e análises políticas. Sou também colunista do Correio da Bahia e do HuffPost Brasil.

Deixe seu comentário