Blog Crônicas

Escritor, no meio dos tais

escritor, Brasil, português
Escrito por Gabriel Galo

[Ontem me vi diante de algo verdadeiramente mágico e que, por ser escritor, causou-me uma baita comoção. No meu e-mail, inesperadamente, apita a chegada de uma mensagem. Nela, uma representante de uma grande rede mundial de ensino faz solicitação de autorização de licenciamento de um conto meu para que se torne matéria do livro-texto de Português em todas as escolas no Brasil.]

***

Agora que foram devidamente ultrapassadas as regulamentares horas de sono que recolocam a mente nos eixos, expulsando exageros e clareando a realidade – não que acabe por obnubilar planos, ambições e desejos; estes são apenas distinguidos de matéria com mais facilidade – retomo o palco sobre o conto que vai virar matéria de escola.

Para quem decidiu, num movimento meio sem pé nem cabeça, se tornar escritor, posso assegurar: hoje, nessa minha fase, neste meu momento, não há honraria maior.

Cresci com dedicados e apaixonados professores e professoras de Português, no nascer da leitura e da compreensão das letras, se esforçando para semear no infante o fascínio pelas palavras. Na fase em que tudo é novo e impressionável, fui apresentado a mestres maiores da literatura portuguesa. Foi ali que surgiram os primeiros contatos com Guimarães Rosa e sua língua própria, com Machado de Assis e seu metropólico Rio de Janeiro, com Clarice Lispector e sua simplicidade que disfarçava uma complexidade de personagens e dilemas que somente mais velho pude captar, com Graciliano Ramos e seu apaixonante discorrer sobre as coisas do sertão, com Monteiro Lobato e sua fantasia que levava a gente pro seu mundo colorido, com Castro Alves e seu ser muito mais do que uma estátua na praça mais simbólica da velha cidade da Bahia.

Aprendi a separar no tempo o romantismo, o trovadorismo, o modernismo, quem é quem em cada tempo. Quando o mundo das letras e das artes se abriu para mim, é como se se provasse a existência de universos paralelos – que é assunto para o metafísico, não para a física.

Perceba a linha mestra dos nomes de quem tratei e puxe pela memória aqueles com os quais você teve contato na tenra idade. São monstros das palavras, gente num pedestal, em púlpito! No meu imaginário estereotipado de quem havia recém-aberto a porta da esperança, eram seres superiores que escreviam de bermuda e sem camisa num escritório um tanto empoeirado, cercados de livros por todos os lados, preferencialmente com uma janela de frente para o mar. Dali, rabiscando ou batendo à máquina, celebravam manuscritos que os conduziriam à eternidade.

É no meio desta gente que um conto meu vai parar. No meio de a quem se deve prestar loas e reverências eternas, e talvez não seja suficiente. Entendo, sou um iniciante, um café-com-leite, um juvenil indo treinar com os profissionais, mas, estou ali, com eles. Estou no grupo, na panela, no rol. Abre a rodinha, por favor!

Que alegria imensa!

E com a alma lavada e ensaboada – e agora enxaguada e estendida ao sol, já seca, passada e dobrada – posso assegurar que estou tendo dificuldades para conter minha euforia e, recorrentemente, me vejo emocionado COMO O QUÊ. Agora, se vocês me dão licença, vou ali na varanda soltar um grito para extravasar um tico mais, porque estou transbordando em mim.

.
Aqui o conto escolhido:

Chove, chuva

.

Sobre o autor

Gabriel Galo

Olá! Sou o Gabriel Galo, baiano de Salvador, torcedor do Vitória, administrador formado pela FEA/USP, empresário e escritor (cronologicamente falando).

Escrevo (quase) diariamente contos, crônicas, ensaios e análises políticas. Sou também colunista do Correio da Bahia e do HuffPost Brasil.

Deixe seu comentário